no1
12/11/2021
Precisamos melhorar critérios antes de liberar as máscaras, diz infectologista

Um estudo que pode viabilizar a desobrigatoriedade do uso de máscara no Brasil deve ser finalizado até esta sexta-feira (12). Embora Rio de Janeiro e o Distrito Federal já tenham liberado em ambiente aberto, a maioria dos estados e municípios mantêm a recomendação do equipamento de proteção.

A análise foi encomendada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao Ministério da Saúde em junho. O documento deve trazer diretrizes baseadas na cobertura vacinal, transmissibilidade da doença e ocupação de leitos no país.

 

Para o infectologista e membro da Sociedade Brasileira de Infectologia, Marcelo Otsuka, é necessário um diagnóstico mais acurado e melhores critérios antes de tirarmos as máscaras. Ele ressalta, por exemplo, que observar taxa de ocupação de leitos e de óbitos é o fim do processo e seria ideal uma medição anterior, que partisse de ampla testagem e do rastreamento de contactantes.

“Quando a gente fala em óbito e internação, a gente está falando do final, mas eu preciso acompanhar isso antes que estas coisas aconteçam. E como eu consigo? É vendo taxa de transmissão. E para ver a taxa, eu tenho que testar. Nós testamos ainda muito pouco.”

Otsuka explica que embora a cobertura vacinal esteja alta e resulte numa melhora da pandemia, o percentual de testes positivos no Brasil é alto comparado com outros locais do mundo.

“O Brasil tem uma taxa de positividade nos exames que gira em torno de 35 a 40 para cada 100 exames realizados. Países como a Índia, são sete positivos para cada 100 realizados. Estados Unidos ainda menos. Alguns países da Europa chegam a um ou dois positivos a cada 100. O que significa isso? Significa que quando você identifica um doente, você vai atrás dos contactantes, você investiga os contactantes para ver se tem alguém infectado que pode transmitir a doença.”

O infectologista disse, ainda, a respeito das crianças abaixo de 12 anos que até o momento não foram incluídas na campanha contra Covid-19 do Programa Nacional de Imunizações.

“Nós também vemos crianças morrendo, crianças em UTI e com quadros graves e eles não foram vacinados ainda. Nós não temos sequer estudos autorizados no Brasil que permitam a vacinação das crianças.”

Para ilustrar a necessidade da manutenção do equipamento de barreira, ele comentou a respeito de um estudo realizado em Ohio, nos Estados Unidos, em que crianças e adolescentes de distritos onde não havia obrigatoriedade foram duas vezes mais infectadas quando comparado aos locais em que todos deviam ir para as escolas usando as máscaras.

Créditos: Vanderléia/g1/aquarelafm

Compartilhe com seus amigos!
no2

(46)3543-2679 / (46)3543-2611 / (46) 3543-4029

(46) 9-9933-3001 - pedido musical

opec@aquarelafm.radio.br / 46- 9-9915-3813 Comercial

Av. Bruno Zution, 2912, Centro, Realeza - Paraná / Caixa Postal 101