no1
29/12/2021
Carnes subiram mais de 4 vezes acima da inflação em quase 3 anos

Colocar proteína no prato virou tarefa impossível para boa parte dos brasileiros na gestão do ministro da Economia, Paulo Guedes. Quando o atual governo assumiu, em janeiro de 2019, as carnes de primeira e segunda eram vendidas por quase a metade do que custam hoje. O preço de ambas subiu mais de quatro vezes acima da inflação oficial do país nesse período.

A situação pode piorar com o fim do embargo chinês à carne bovina brasileira, anunciado em dezembro. Com a medida, o produto pode faltar nas gôndolas e tende a aumentar de preço.

De acordo com o levantamento mensal da cesta básica paulista feito pelo Procon-SP, os cortes nobres saíam em média por R$ 24,19 o quilo há quase três anos. Em novembro de 2021, o preço saltou para R$ 44,45, 83,75% de aumento. 

Segundo a calculadora do Banco Central, nesse mesmo intervalo de tempo, a inflação medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), ficou em 19,29%.

O caso das carnes de segunda (sem osso) é ainda pior. Saíam em média por R$ 17,88 no país no início de 2019. Hoje, por R$ 34,02 (90,26% mais salgada).

Em janeiro de 2019, o salário mínimo nacional era de R$ 998 e foi reajustado para R$ 1.100 em 2021. Há 35 meses, com o piso nacional, o consumidor brasileiro levava 56 kg de carne de segunda para casa. A mesma compra atualmente deixaria para trás 22 kg, ou 40% do carrinho, permitindo a aquisição de apenas 32 kg. 

Nem o frango serve como opção para garantir um pouco de proteína às famílias. De R$ 6,51 na virada de 2018 para 2019 passou agora, com 82% de reajuste, para R$ 11,89 o quilo.

 

 

 

Créditos: Carla/g1/aquarelafm

Compartilhe com seus amigos!
no2

(46)3543-2679 / (46)3543-2611 / (46) 3543-4029

(46) 9-9933-3001 - pedido musical

opec@aquarelafm.radio.br / 46- 9-9915-3813 Comercial

Av. Bruno Zution, 2912, Centro, Realeza - Paraná / Caixa Postal 101