no1
16/01/2022
Vacinação no Brasil é uma das mais bem-sucedidas, diz Queiroga

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que a campanha de vacinação contra Covid-19 no Brasil é uma das mais bem-sucedidas do mundo. A declaração foi concedida neste sábado (15) em João Pessoa, na Paraíba, onde o chefe da pasta participou de uma agenda de testagem e vacinação no Hospital Universitário Lauro Wanderley.

Ele também afirmou que o país terá as primeiras vacinas 100% produzidas em solo brasileiro no próximo mês. "Agora, em fevereiro, nós vamos distribuir essa vacina produzida com o IFA [insumos farmacêuticos ativos] nacional", declarou.

 

Segundo Queiroga, o Brasil ocupa a quarta posição entre os países que mais distribuem e aplicam vacina. Na próxima segunda-feira (17), completa-se um ano desde que a enfermeira Mônica Calazans, com 54 anos na época, recebeu a primeira dose de vacina contra o coronavírus aplicada no país.

"Quando eu assumi o ministério, o Ministério da Saúde tinha aplicado 12 milhões de dose da vacina. E hoje nós temos 336 milhões de doses de vacina aplicadas. Isso é fruto do esforço do governo federal. Nós já distribuímos e aplicamos mais de 400 milhões de doses de vacina", disse.

A diferença no número de imunizantes se dá pela quantidade de pessoas que ainda não voltaram para tomar a segunda dose e pelo quantitativo entregue aos estados para a aplicação de reforço (terceira dose).

O ministro afirmou que neste sábado fez dez meses que ele recebeu o convite do presidente Jair Bolsonaro para assumir a pasta, à época conduzida pelo general Pazuello. Queiroga assumiu como o quarto ministro da Saúde da atual gestão em 23 de março de 2021. 

"Naquela época nós vivíamos o pico da pandemia, da segunda onda, provocada pela variante gama”, afirmou. “A nossa campanha, ela é uma das mais bem-sucedidas do mundo. Para tanto, foi utilizada uma estratégia diversificada. A principal aposta foi uma encomenda tecnológica realizada ao laboratório AstraZeneca, um laboratório anglo-sueco, para que nós tivéssemos na Fiocruz, que é uma instituição do Ministério da Saúde, a produção da vacina de Oxford.”

Queiroga destacou o que chamou de resgate do complexo industrial brasileiro como um dos pontos que levaram o país a ser referência na vacinação contra Covid-19. "E o Brasil, com seu espírito de solidariedade, agora, de importador de vacinas passou a ser exportador de vacinas. E o presidente Bolsonaro já determinou a doação de até 30 milhões das vacinas que viriam para os brasileiros porque a nossa capacidade de produção interna de vacinas e de aquisições já é uma das maiores do mundo."

Créditos: Vanderléia/g1/aquarelafm

Compartilhe com seus amigos!
no2

(46)3543-2679 / (46)3543-2611 / (46) 3543-4029

(46) 9-9933-3001 - pedido musical

opec@aquarelafm.radio.br / 46- 9-9915-3813 Comercial

Av. Bruno Zution, 2912, Centro, Realeza - Paraná / Caixa Postal 101