no1
22/03/2022
Frutas, legumes e verduras assumem o posto de vilões da inflação no início de 2022

Depois de a ida ao posto de gasolina traumatizar os brasileiros no ano passado, o início de 2022 é marcado por pesadelos dos consumidores nos corredores das feiras livres e dos hortifrútis.

Nos dois primeiros meses do ano, itens dos subgrupos de tubérculos, raízes e legumes (+20,9%), hortaliças e verduras (+24,8%) e frutas (+7,1%) figuram como os principais vilões da inflação, de acordo com o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo).

Entre os itens, a cenoura quase dobrou de preço (+98,4%) e corresponde ao maior salto registrado pelo índice oficial de preços no acumulado do primeiro bimestre.

A abobrinha (+64,7%), o repolho (+35,9%), a batata-inglesa (+35,4%), o pepino (+31,4%) e a alface (+30,5%) também apresentaram variações significativas no período.

Entre as frutas, os principais destaques negativos partiram do morango (+26%), da laranja-baía (+25,7%), da melancia (+24,7%), da banana-prata (+14,7%) e do melão (+14,4%).

Somadas, as altas contribuíram para o avanço de 2,4% do grupo de alimentação e bebidas no acumulado dos primeiros meses de 2020, com disparadas acima de 1% em ambos os meses e maior impacto final para as famílias nos dois períodos.

Ao analisar o índice de fevereiro, o gerente do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) responsável pela pesquisa, Pedro Kislanov, ressalta que o clima foi a principal razão para as variações significativas.

“Em fevereiro, o grupo de alimentação sofreu impactos dos excessos de chuvas e também de estiagens que prejudicaram a produção em diversas regiões de cultivo no Brasil”, avalia Kislanov.

O chefe da seção de economia da Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo), Thiago de Oliveira, também atribui a variação significativa nos preços das hortaliças aos efeitos climáticos. "O setor sofreu com duas geadas e na sequência uma estiagem prolongada", recorda.

Diante da situação, Oliveira destaca que a reposição das perdas foi afetada pela valorização de fertilizantes e defensivos, que são negociados em dólar, e ocasionaram redução das áreas de cultivo.

"Quando os produtores estavam para colher novamente, esses produtos sofreram com as chuvas de 2022 que assolaram, principalmente, a região Sudeste e o sul da Bahia", completa Oliveira, ao analisar a situação do segmento.

Créditos: Vanderléia/r7/aquarelafm

Compartilhe com seus amigos!
no2

(46)3543-2679 / (46)3543-2611 / (46) 3543-4029

(46) 9-9933-3001 - pedido musical

opec@aquarelafm.radio.br / 46- 9-9915-3813 Comercial

Av. Bruno Zution, 2912, Centro, Realeza - Paraná / Caixa Postal 101